Transferências milionárias em contas operadas por Ricardo Salles são descobertas

Investigações do Ministério Público indicam valores de R$ 2,75 milhões

| TOP MíDIA NEWS/RAYANI SANTA CRUZ


Crédito: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

De acordo com as informações, Salles repassou R$ 2,75 milhões da conta de seu escritório de advocacia para a sua conta pessoal em 54 transferências, feitas entre 2014 e 2017

A Revista Crusoé  publicou nesta sexta-feira (29), que o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) quebrou o sigilo do ministro do Meio Ambientem Ricardo Salles, e descobriu transferências milionárias entre contas controladas por ele.Conforme o texto, as investigações do MP tentam avançar nas suspeitas de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.

O MP aponta que Salles repassou R$ 2,75 milhões da conta de seu escritório de advocacia para a sua conta pessoal em 54 transferências, feitas entre 2014 e 2017. Isso foi feito no período, em que o ministro exerceu dois cargos públicos na gestão do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), além de atuar como advogado na iniciativa privada.

Inquérito

Conforme a Crusoé , o inquérito foi aberto em agosto de 2019 para investigar a suspeita de enriquecimento ilícito de Ricardo Salles. O período todo a ser analisado pelo MP é de 2012 a 2017, quando Salles deixou de atuar como advogado para ocupar cargos no governo paulista. O ministro teria acumulado R$ 7,4 milhões em cinco anos.

Como a investigação não acabou a expectativa é de que tenha mais valores ilícitos.

Com base na declaração de bens que o ministro prestou à Justiça Eleitoral em 2012, quando foi candidato a vereador pelo PSDB, Salles declarou possuir R$ 1,4 milhão em bens. A maior parte era em aplicações financeiras, 10% de um apartamento, um carro e uma moto. Porém, em 2018, quando saiu a deputado federal pelo Novo, foram R$ 8,8 milhões, sendo dois apartamentos de R$ 3 milhões cada, R$ 2,3 milhões em aplicações e um barco de R$ 500 mil, correspondendo a uma alta de 335% em cinco anos, corrigindo o valor pela inflação.

Negou

O ministro rebateu as acusações, na manhã desta sexta-feira (29), na sua conta do Twitter. Segundo ele, a matéria é mentirosa. “Todos os meus rendimentos ditos ‘repassados’ são honorários declarados e decorrentes da minha atividade privada como advogado, fora do Governo, a qual muito me orgulho. Não tenho nada a esconder, de ninguém”, afirmou.

(Reprodução Twitter)



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE