Advogado que liderou movimento contra isolamento na Argentina morre de covid-19

Ángel Spotorno era macrista fanático e entendia que o atual presidente queria usar o isolamento para reinstalar o comunismo

| MIDIAMAX


(Foto: Arquivo Pessoal)

O advogado Ángel Spotorno, de 74 anos que era conhecido na Argentina por liderar movimentos contra o isolamento social, uma das ações capazes de frear o coronavírus, morreu no dia 16 de junho. Porém, o motivo da sua morte não havia sido divulgado até o último domingo (5), quando a imprensa local noticiou sua morte que foi causada por falência pulmonar causada pela infecção de covid-19.

Spotorno se encaixava no grupo de risco, devido à idade, mas principalmente no mês de maio era visto nas pequenas marchas que realizava nos fins de semana para protestar contra as medidas de isolamento e demais eventos que organizava em suas redes sociais.

Em entrevista para o Infobae, imprensa local, a prima Marita Riera explicou que dos “90 dias que passamos entre o início da quarentena e a sua morte, creio que ele passou ao menos 85 fora de casa”.

“Um dia eu disse a ele que não entendia porque ele fazia isso sabendo que a maioria das pessoas apoiava as quarentenas. Me dava tanta raiva aquela postura que eu disse de brincadeira que antes de ficar doente, ele tinha que deixar uma nota dizendo que abria mão de um leito de UTI porque não acreditava no vírus”, afirmou.

O advogado era macrista fanático e na maioria de suas publicações nas redes sociais, acusava o governo de Alberto Fernández de “querer usar as medidas de isolamento para reinstalar o comunismo na Argentina e atentar contra a liberdade das pessoas'.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE