Pai acusa diácono de igreja evangélica de estuprar neta de 6 anos e caso é investigado

Homem tinha como função cuidar de crianças e jovens na igreja

| IVI NOTíCIAS/MIDIAMAX


Menina já teria tentado tirar a própria vida por causa dos abusos (Ilustrativa)

O pai de uma menina de 13 anos, que na época dos abusos tinha 6 anos, procurou a Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) nesta quarta-feira (20) para registrar um boletim de ocorrência contra o sogro de 66 anos, diácono de uma igreja evangélica, em Campo Grande, por estuprar a neta.

O comerciante contou ao Jornal Midiamax, que a filha nunca contou o que havia acontecido, mas que seu comportamento havia mudado. O fato veio à tona quando em um almoço em que estavam todos a mesa, o suspeito teria dito que, “Os autores de estupros não são culpados, que são culpados são as mulheres'.

Neste momento, a menina saiu da mesa chorando. Quando a família voltou para casa, o pai foi questionar a menina sobre o acontecido e ela contou que desde quando tinha 6 anos, ela era estuprada pelo avô quando ficava na casa dele.

Ela disse que ele passava as mãos em suas partes íntimas e tirava a sua roupa. O pai da vítima, que hoje tem 13 anos, contou que a filha sentia repulsa do avô e não queria ir mais fazer visitas, mas que na época eles não entenderam. De acordo com o comerciante, agora a menina está sendo acompanhada por psicólogos, mas quando ela tinha 10 anos teria tentado tirar a própria vida.

O pai da menina ainda disse que na época dos abusos, o homem era responsável por cuidar de um grupo de crianças e jovens na igreja. “Ele pode te feito isso com outras crianças', disse o comerciante.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE